• (85) 3281-1085
  • secfin.iesh@gmail.com

PEGANDO CARONA NO CORONA

COMPARTILHAMENTO

 

 

 

O sábio Nasrudin, ícone da sabedoria sufi, encontrou a Peste, a caminho de Bagdá e lhe perguntou:

-     O que vai fazer?

-     Vou matar umas dez mil pessoas - respondeu a Peste.

Cada um seguiu seu caminho e um tempo depois, encontrando de novo a Peste, O Sábio reclamou:

-     Você mentiu para mim. Disse que mataria dez mil pessoas e matou cem mil...

-     Não, eu não menti - respondeu a Peste. Eu matei dez mil. As outras... morreram de medo.

 

O medo pode paralisar ou pode matar, mas também pode preparar.

A pandemia do novo Coronavírus mata e pode matar muita gente.

Mas o medo pode matar muito mais.

E enquanto seguimos as orientações das autoridades de saúde e fazemos cada um a sua parte e cuidamos uns dos outros... e nos unimos em prece solidária para que ciência encontre a vacina e os profissionais de saúde mantenham a soberania da nobreza generosa...  podemos e devemos cuidar para que o medo não faça vítimas, além do vírus.

Mas o medo também pode preparar, prevenir, cuidar, cultivar bom senso, ajudar a refletir e a questionar hábitos, a fazer voltar para casa, a aquietar, a enfim reconhecer que não viemos aqui para produzir... e sobretudo a perguntar pela Fé que permite escutar a Intuição que alimenta a Coragem.

 

Um vírus, assim pequeno e invisível, pode fazer a gente questionar o que estamos fazendo aqui.

Um vírus, assim pequeno e invisível, pode fazer a gente lembrar que somos todos iguais, que Somos Todos Um.

Um vírus, assim pequeno e invisível, pode fazer a gente acolher e aceitar finalmente que dependemos uns dos outros, que nos influenciamos mutuamente, que somos um grande sistema.

Um vírus, assim pequeno e invisível, pode fazer a gente aprender que precisamos e podemos cuidar uns dos outros.

 

E pegando carona na pandemia do corona, pode ser viral outra energia, a do PanAmor que, mais que o corona, se propaga leve e sutil, na respirarão consciente da meditação - que agora podemos redobrar... e no abraço, no beijo e aperto de mão - que agora outras formas de comunicar hão de encontrar.

 

Do Ponto Um do Eneagrama, vamos precisar do olhar de fazer bem feito o que tem que ser feito, custe o que custar... e também da Serenidade que nos permite confiar que o Projeto Divino de Perfeição inclui e vai além das imperfeições com confiança, mesmo sem explicação, de que tudo está perfeito do jeito que está... o que nos permite saborear a paz.

O Ponto Dois pode nos dar a sensibilidade e a generosidade, o olhar de cuidado e disponibilidade para ajudar, a palavra que desperta no outro sentimentos bons... e sobretudo a confiança na Providência Divina que cuida de tudo de todos e nos permite saborear a Liberdade e encontrar dentro de nós mesmos, na fonte fértil da Essência onde um pedacinho do coração de Deus nos habita, tudo o que precisamos para saciar nossas carências.

Pedimos ao Ponto Três a visão de futuro e as estratégias eficazes, para descobrir saídas... e confiamos que Deus está agindo em tudo e através de tudo, tudo encaminhando para a Harmonia e despertando o olhar de Esperança que nos permite confiar que algo bom vai acontecer, independente de qualquer coisa e de tudo. E aí podemos saborear a Veracidade, aquele brilho interior do prazer verdadeiro, vivenciando o momento presente, nesta pausa do fazer, em favor do Ser.

Recebemos do Ponto Quatro a sensibilidade, a profundidade e a criatividade, que permitem viver a dor e a transformar em beleza, porque o mundo será salvo pelo belo. E dele aprendemos também a busca pela Origem, a Fonte Amorosa de onde viemos e onde existimos que nos faz especiais e únicos e sacia a nossa alma e a satisfaz, com a virtude da Equanimidade.

Pedimos ao Ponto Cinco o distanciamento emocional e o olhar objetivo, a razão que observa e analisa e entende e descobre sentido. O conhecimento faz falta, mais que sempre, profundo e fundamentado, para reunir saberes em busca de soluções, entre elas a vacina. E a Transparência que este Ponto nos ensina, lembra que em cada Ser Humano habita a força potente da energia amorosa que é capaz de gerar vida, quando a liberamos generosamente a serviço dos outros.

Precisamos do Ponto Seis, de precaução, prudência e bom senso, previsão de risco e cumprimento do dever, respeito pelas normas e orientações, espírito de grupo... e daquele tal medo que prepara. E sobretudo da Fé, aquela experiência integral e libertadora, a certeza de experiência feita, lembrando que não estamos sós, pois alguém maior do que nós está conosco, nos protege e de nós cuida e sussurra no nosso coração aquela intuição sagrada do que é bom e certo, para nós e para todos. A isso chamamos coragem - agir pelo coração... e essa coragem vence o corona.

Do Ponto Sete precisamos da criatividade que é mais criativa quando o sofrimento bate à porta e necessitamos mais que nunca do olhar positivo e do otimismo, consciente - claro, que traz leveza à vida e faz sonhar e enxergar possibilidades. E precisamos, sobretudo, de recordar o que viemos aqui fazer, o nosso trabalho e missão dentro do Plano Divino, assumindo com aquele prazer que dá têmpera e tempera dor com prazer e sofrimento com alegria.

O Ponto Oito nos dá assertividade e autoconfiança, a certeza que não há impossível para a força do Amor e a capacidade de potencializar nos outros a força do acreditar e vencer barreiras e chegar até ao fim, quanto mais difícil, melhor. E daqui acolhemos também a força da ternura e da inocência, como a mais forte de todas as forças... e a solidariedade e a força feita serviço, a serviço. A capacidade de confiar e abandonar-se, como a palmeira confia no vento e a criança na outra criança.

Ao Ponto Nove pedimos Amor. Porque tudo passa, só o Amor basta. Isto também passa. Aquela amorosidade do olhar que em tudo e em todos vê valor. A tranquilidade e a resiliência. A paz paciente e harmoniosa que não deixa esquentar a cabeça nem perder a calma. A Ação Certa, sobretudo. Como faz falta. Aquela capacidade de fazer o certo na hora certa e falar o que deve ser dito no momento oportuno. Diligência: estar inteiros, no aqui e agora, atenção plena e de prontidão, para agir sem perder a hora... pois quem sabe, faz a hora, não espera acontecer.

 

Vamos precisar de todo o mundo!

E tudo isso está todo inteiro e disponível em cada Ser Humano, onde Deus está!

Porque somos muito mais humanos do que pensávamos.

Compaixão.

E podemos nos descobrir muito melhores, muito mais divinos, do que julgávamos ser. Solidários.

Porque Somos Todos Um.

 

E podemos pegar carona no corona, para globalizar o Amor... maior que todos os medos.

Porque o Amor também é viral...

E podemos pegar carona no corona, para viralizar o Amor!

 

         Domingos Cunha