• (85) 3281-1085
  • secfin.iesh@gmail.com

INSTITUTO ENEAGRAMA SHALOM - Ressonâncias do Encontro Anual 2019

COMPARTILHAMENTO

Abertura IESh 2019

Celebração IESh 2019

 

 

 

 

 

 

INSTITUTO ENEAGRAMA SHALOM

Ressonâncias do Encontro Anual 2019

 

Deus quer, o Homem sonha, a Obra nasce - dizia Fernando Pessoa.

No princípio era o sonho. E o sonho tornou-se semente e semente de libertação. No princípio era encantamento e paixão, gratidão pelo que o Eneagrama gerou na vida da gente e, através de nós, na vida de tanta gente. Mas sempre sonho, mais sonho que realidade, embora a realidade já fosse verdade, antes de ter um nome.

Tinha paixão pelo ser humano correndo nas veias, amor à vida e coração batendo por servir e para servir. Havia no horizonte a Espiritualidade como sentido da vida. E sempre houve mais gente sonhando junto e o sonho que se sonha junto vira realidade, ou já era realidade, sem ter nome. Ganhou nome depois, como identidade consciente dos valores que já eram vividos.

Cresceu o sonho e cresceram as mãos por ele unidas e os corações batendo juntos para levar mais longe o sangue de vida.

Hoje continuamos sonhando, porque o sonho comanda a vida e sempre que a gente sonha, o mundo cresce e avança, como bola colorida, nas mãos de uma criança - como se canta na Pedra Filosofal. Mas hoje já sentimos que também já somos aquilo que sonhamos. Somos todos um, como o Eneagrama nos ensina. Somos o que ensinamos e respiramos isso.

Olhando o passado, assumimos que somos filhos do sonho. Olhamos para os outros, ao longo da nossa História e servindo os outros, aprendemos a olhar para nós e a saborear dentro o que propomos para fora.

No presente contemplamos o Sopro que nos faz Um, porque somos Universo: voltamos ao Uno. Os Egos diluíram... a Essência brotou. Dela nasce a nossa missão e sentido e visão, valores e doação. Dos Egos vêm saberes e habilidades, agora a serviço do todo, em comum.

E o sonho continua trazendo brilho ao olhar. Porque Eneagrama, a gente experimenta e ensina, como Missão de Vida.

Quando olho os olhares, é alegria e sonho que vejo. E quando fecho os olhos, vejo por trás de todos os rostos, o sorriso aberto e farto, lindo e feliz, de Eduardo Silveira Filho... como ternura de Deus cuidando de nós e nós cuidando de tantos. E se abro de novo os olhos, é de sonho novamente, que se mostra o horizonte.

Pelo sonho é que vamos...

 

      Domingos Cunha