• (85) 3281-1085
  • secfin.iesh@gmail.com

LEI DO TRÊS NA PANDEMIA

COMPARTILHAMENTO

LEI DO TRÊS NA PANDEMIA

 

A nossa cultura vive a lógica do dualismo, da polarização, da separatividade, dos opostos.

O  certo e o errado. O bem e o mal.

O dualismo gera tensão e destruição. Exclusão. Ou, ou.

O dualismo é uma visão simplista da realidade. Infantil.

Conta-se que o grande Luis Gonzaga, uma noite, numa pizzaria com a sua turma, depois de um show, foi abordado por um rapaz pedindo esmola. E o Rei do Baião falou para o jovem:

-      Você não tem vergonha... um rapaz tão jovem e cheio de  saúde, pedindo esmola?!

-       É melhor pedir do que roubar, né doutor?! - respondeu o rapaz.

E Gonzagão respondeu:

- E você só conhece essas duas opções?

 

Existe a Lei do Três.

A Lei do Três , desde os Antigos povos Sumérios, há quatro  mil  e quinhentos anos, é a Lei que nos ajuda a entender a dinâmica da  vida, a Lei que explica o equilíbrio, a sustentabilidade e a permanência de tudo o que existe.

 

Dizem os textos Sagrados  da Tradição Judaico-cristã: no principio, Deus criou o Céu e a Terra. Quantos elementos temos?

- a nossa cultura tem logo a tentação de responder: Dois! O Céu e a Terra. E aí entra o dualismo, a comparação, a separatividade. O Céu é bom, a Terra é má.

Mas esquecemos que existe um terceiro elemento: Deus, o Deus que criou o Céu e a Terra. É o Terceiro elemento do  Triângulo da Vida.  E se Deus criou o Céu, o Céu é bom. E se a Terra foi criada por Deus, a Terra é boa! A mesma coisa com a Luz e as Trevas...a mesma coisas com a vida. A Lei do Três nos ensina a entender a vida, em toda as suas dinâmicas. Em tudo vemos a Lei do Três, quando olhamos alem do simplismo. Na eletricidade: positivo, negativo e neutro. Na Filosofia: teses, antítese e síntese. Na Psicologia: ego, superego e Id. Na Física Atômica: elétrons, prótons e nêutrons. Nas tradições religiosas: Pai, Filho e Espirito Santo - na tradição cristã,   ou Shiva, Vishnu e Brama, na tradição do Hinduísmo. Gurdjieff dizia: afirma, nega, reconcilia. E Rumi, o poeta místico do islamismo do século XII, dizia: para alem do certo e do errado, existe um campo sagrado.

 

Para além do certo e do errado, existe um campo Sagrado.

Estamos vivendo no dualismo puro.

Faz tempo que a nossa sociedade vem polarizada em termos sociais e políticos e essa polarização  se agrava agora nestes tempos de pandemia.

Mas a Lei do Três  nos convida a um olhar mais além, um olhar  a partir do campo sagrado, do Terceiro Ponto.

 

A discussão  hoje fica à volta do Ficar em Casa ou Voltar ao Trabalho.

A Economia ou a Saúde.

Estamos de novo na polarização, no simplismo. E vamos encontrar reações acaloradas de um lado e de outro.

Primeiro: não podemos cair na tentação desumana de colocar a polarização entre a Vida ou a Economia, a Vida ou a Produção...

Porque a Vida é o Terceiro Ponto, o Campo Sagrado, que esta acima dos outros dois elementos e lhes dá sentido.

 

Podemos então  desenhar o Triangulo: de um lado, o Ficar em Casa, do outro lado o Voltar ao Trabalho e do outro lado a Vida. De um lado a Saude, do outro lado  a Economia e do outro lado a Vida.

A Vida é o campo sagrado, inesquecível, imprescindível e inesquecível. É esse ponto que dá sentido aos outros dois. É a partir dele que sairemos dos opostos, da polarização,  do dualismo simplista, da separatividade... e poderemos chegar à reconciliação,  ao equilíbrio, à sustentabilidade e à harmonia.

 

E, a partir do terceiro ponto, a partir do olhar sagrado do Terceiro Ponto, que sempre tem que ser a Vida, olhamos para os outros dois, em busca de sentido e caminhos de reconciliação.

E aqui, neste Ponto, entram, a meu ver, duas forças importantes, que não podem ser omitidas, nem podem se omitir: por um lado, a Auto-responsabilidade e a Solidariedade das Pessoas e das instituições e, por outro lado, o dever dos Governos, do Estado, dos Poderes Públicos.

É papel dos Estado, em todas as suas instâncias, sobretudo nesta situação de emergência, olhar para a Saúde  e para a Economia, proteger o indivíduo e as instituições, garantir condições de sobrevivência através de medidas de proteção  social dos mais vulneráveis... para que eles possam ficar em casa e, conforme as orientações das autoridades mundiais em Saúde, se protejam da contaminação e protejam os outros da transmissão do vírus.  E é também papel do Estado, implementar as medidas necessárias de proteção e apoio econômico às  empresas e instituições, para garantir sua sobrevivência financeira e a  capacidade de garantirem os empregos.

E aqui, ao lado do Estado, a partir deste olhar do Terceiro Ponto, deste Ponto Sagrado, precisamos colocar, mais do que nunca, o papel da Auto-responsabilidade e da Solidariedade. Pessoas e Instituições, Empresários e tantas pessoas anônimas, de diversas formas, em milhares de iniciativas... podemos, devemos, já estamos fazendo e precisamos continuar fazendo cada vez, o melhor ao nosso alcance, para apoiar os outros dois pontos do triângulo, para saírmos do dualismo e da polarização... e para caminharmos juntos no horizonte do equilíbrio, da reconciliação dos opostos, da harmonia, da sustentabilidade... da Vida!

 

Não existem só duas opções: ficar em casa ou voltar ao trabalho. A Saúde ou a Economia. Existe a Vida, em primeiro lugar e, a partir desse lugar Sagrado, existe o dever do Estado, nas suas diversas instâncias... e existe a Solidariedade, das pessoas e das Instituições.

 

Estas não são mais questões ideológicas ou religiosas.

Sao questões humanitárias,

Sao questões de sobrevivência!

Sao questões de Consciência,

De responsabilidade, de bom senso, de compromisso com a Vida.

Somos Todos Um!

Ou sairemos juntos disto... ou não sairemos!

 

Pense nisso...

Procure fazer a sua leitura da realidade à luz da Lei do Três... e perceber os dualismos e as Terceiras Forças...

Procure olhar também para dentro de você... e perceba os seus dualismos internos... e também as Terceiras Forças  que você pode  descobrir agora...

 

Domingos Cunha          Domingos Cunha